domingo, 20 de setembro de 2009

A droga chamada Religião


Antes de você começar a ler este post, vai ai uma breve observação: Lancei este post em Setembro de 2009, e desde então tem dado muita "polêmica" por pessoas que não entenderam o real sentido do artigo. Pastores e Homens de Deus, à voces escrevo e abordo 2 pontos:

1.Quando me refrio a "traficantes da droga chamada religião", me refiro à homens que se chamam de Deus, mas não o são.Como vemos Brasil a fora, escandalos no meio gospel em geral. Creio e conheço Pastores que realmente são homens de Deus e jamais se enquadram neste artigo, mas por favor, somos inteligentes e racionais, por isto, não confundam!

2."A Drgoa chamada Religião" não é um post sobre o termo etipológico Religião, e sim, uma critica a religiosidade acima da Graça abundante de Cristo nas igrejas em geral, por isto, leia e compreenda o que realmente o artigo expõe.

Para finalizar: tenho esperança que este artigo traga-lhe uma profunda reflexão que precisamos como cristãos voltar as práticas da igreja primitiva, voltar as Escrituras como principal regra de nossas igrejas, e nos unir-mos SIM, de forma racional e biblica. Boa leitura!


====================================================


Se existe algo que tem assombrado sociedades e nações em meados do século atual, cujo qual vivemos, este algo é a Droga. Como o nome já diz, cada vez mais usuários jovens destroem suas vidas se afundando em vícios e se tornando dependentes químicos. E esta praga não acaba apenas com a vida fisiológica/biológica de seus usuários, como gera um efeito maléfico em cadeia na sociedade: criminalidade cada vez maior, famílias assoladas, violência, mortes, tráfico e contrabando, entre outras conseqüências que já não são novidades para ninguém.

Na igreja, não é diferente! Não me refiro a “droga química”, mas algo que denomino “droga espiritual”, isto porque sua utilização gera efeitos maléficos a nossa vida espiritual. Que droga é esta? Chamo esta droga de RELIGIÃO!

Se você pensou que nosso papo seria sobre narcóticos anônimos ou dependentes químicos, você se enganou. Considero a RELIGIÃO e a RELIGIOSIDADE como uma droga no reino de Deus, não encontrei um meio mais prático e preciso para comparar como a forma que comecei a escrever este papo!

Desde os primórdios da humanidade, o homem têm a necessidade de ter uma divindade ou várias divindades para adorar. Algo que a filosofia, a história e tantas outras ciências explicam, comprovam e até usam tal fato como forma de argumentação para possível não existência de um Deus de fato. Entretanto, esta necessidade, que de fato existe, gera dentro de sociedades, civilizações e padrões certos paradigmas de quem é este “Deus” e como realmente adorá-lo. Até aqui, nenhuma nada de novo, é claro.

O grande problema é que nós Cristãos, não só reconhecemos que precisamos de um Deus, como reconhecemos, ou aparentemente afirmamos que reconhecemos, que este Deus é Jesus Cristo. A questão começa quando nós, em algum momento da história, perdemos os verdadeiros conceitos da igreja primitiva, de realmente Adorá-Lo em Espírito e em Verdade, e começamos a criar regras e mais regras, transformando o Cristianismo (que é muito mais que religião) em uma religião.

Como creio e sempre afirmo, cristianismo não é religião e Cristo não veio ao mundo para fundar uma religião. Mas o fato é que cada vez mais a droga da Religião têm matado a vida espiritual dos cristãos, fazendo-os como zumbis de um sistema falido.

É cada vez mais notório a “quantidade” excessiva de crentes em nossas igrejas, mas cada vez menos notório os que realmente vivem o que pregam, cantam e dizem viver.

É cada dia maior a quantidade de jovens que se dizem cristãos, mas cada vez menor a mudança na sociedade, isto porque, ir a igreja por hábito é um questão de religiosidade.

O problema desta droga é que os traficantes (líderes e pastores falsos que não vivem o que pregam, pensando em seus reinos humanos, não no Reino de Deus) incentivam suas ovelhas a curtirem esta droga, porque a questão começa em cima e o vicio torna-se geral na igreja.

Talvez você possa pensar que estou pegando pesado me referindo a liderança como traficantes, mas o fato é que cada dia mais a religião toma conta dos nossos cultos, transformando-os em rituais parecido com tudo, menos com Cristo e a essência do Evangelho!


“Então falou Jesus à multidão, e aos seus discípulos, dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus. Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem; Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los...”

Mateus 23:01-04


Vemos que Jesus batia de frente com a religião e a maneira que os fariseus e religiosos procediam. A religião, se analisarmos ao pé da letra, não têm em si nada há ver com os ensinamentos de Cristo, pelo contrário, Cristo e os fariseus batiam-se de frente.

Como Jesus menciona, as “leis” criadas no sistema religioso impõe aos homens jugos pesados de suportar. Esta palavra, “Jugo”, antigamente, referia-se a uma espécie de canga utilizada para animais como bois puxarem a carga, ale, de, também, ter o sentido de opressão ou o bediência.Se analisarmos o primeiro sentido, é exatamente o que Jesus diz, quanto ao fardo pesado posto sobre os ombros dos homens.

A reiligião é este fardo.Cria regras visando colocar coleiras nos pescoços dos homens, e muitas destas regras, não têm em sua verdade prática, fundamentos bíblicos, e o pior, servem apenas para manter um reino que não é o reino de deus, mas de homens religiosos que pensam que conhecem a Deus, mas como disse o próprio Jesus, são raça de víboras e falsos profetas!

A situação da maioria das igrejas nos dias atuais é cada vez mais decadente, infelizmente rola muita inversão de valores nos conceitos pregados nos cultos, nas verdades escondidas dos jovens, por medo de se falar a verdade e perder-se seus membros, ou, dizimistas que bancam o salário daqueles que não ensinam tais verdade.

Desculpe-me se você acha que peguei pesado, mas é a única explicação pela qual eu cada dia mais creio sobre a sustentação de falsas doutrinas e da droga da religião em nossos templos.

Vemos pessoas começando seu ministério, não com uma visão ardente por almas, mas por status, por títulos.Esqueça um titulo de alguém e você será condenado ao inferno.Fiquei pasmo, certa vez, quando um presbítero de uma igreja, reprrendeu uma pessoa que conheço, simplesmente por ela ter trocado o titulo incoscientemente, chamando-o de diácono.O cara espumou pela boa.Que ridículo! Que falta de humildade pensei eu, quando o fariseu foi reprender durante a pessoa.

Bandas, conjuntos, pregadores que visam apenas ser conhecido, esta é pra vocês, religiosos:


“E fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens; pois trazem largos filactérios, e alargam as franjas das suas vestes, e amam os primeiros lugares nas ceias e as primeiras cadeiras nas sinagogas, e as saudações nas praças, e o serem chamados pelos homens; Rabi, Rabi. Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo.”

Mateus 23:04-11


A droga da religião têm infectado e escravizado a liderança, e conseqüentemente este falso conceito têm chegado aos membros das igrejas. Não sei dizer o que é pior, se falsos lideres com atitudes lamentáveis com mencionei, ou a igreja atual, que também ama e curte ser religiosa.

Pessoas cantam e dizem toda hora sobre avivamento, santidade, mas não movem um dedo se quer para ter mais santidade, ou clamar por um real avivamento. Pessoas que julgam o tempo todo o próximo, sem sacar na real o que se passa com cada um, tendo pensamentos precipitados sobre tudo e todos.

Eu realmente pude sentir na pele o quanto a droga da religião mata as pessoas e tira a visão, quando pessoas que eu considerava como espirituais e amigas acima de tudo, se viraram contra mim, simplesmente porque eu não aceitei a religiosidade e falei e continuou falando a verdade. Qual a atitude deles quando coloquei o dedo na ferida? A atitude que não encontro na bíblia: virar as costas, e sair falando o que não sou de maneira destorcida. E o pior: caras cantando sobre amor, ensinando sobre amor, mas não sabem conjugar o verbo amor, porque com atitudes provaram para mim, que não amam de verdade! E isto não aconteceu só comigo, mas rola Brasil e mundo a fora, igrejas pregando amor, mas não amando. Pregando santidade, mas pecando. Pregando avivamento, mas não buscando aviamento dia a dia.

João Batista foi odiado pelos fariseus por criticá-los na cara sobre a religião. Jesus foi perseguido pelos religiosos, e até chamado de Belzebu (demônio) (Mc 3:22) por bater de frente com o sistema errado. E durante toda história vemos homens sendo perseguidos, surrados, torturados e mortos, por não aceitar a droga da religião tendo seu ponto de tráfico e proliferação dentro da igreja!

Mediante tudo isso, quem é você nesta história: traficante desta droga, usuário viciado ou uma pessoa que deseja Cristo e o Evangelho acima de tudo, principalmente da religiosidade e falsidade que rola solta nas igrejas hoje em dia?

Te digo: se você realmente abrir mão desta droga chamada religião, e se levantar no meio desta geração para resgatar os cegos religiosos para visão de um Deus Santo, você agradará a Deus com tua vida, mas os homens te odiarão, te perseguirão, e abrirão a tua “cova”, assim como os fariseus fizeram com os profetas que se levantaram para mostrar o pecado do povo, e que o próprio Jesus mencionou tal fato:


Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que edificais os sepulcros dos profetas e adornais os monumentos dos justos, e dizeis: Se existíssemos no tempo de nossos pais, nunca nos associaríamos com eles para derramar o sangue dos profetas. Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas. Enchei vós, pois, a medida de vossos pais. Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?

Mateus 23:29-33


Como os religiosos escaparão do inferno? Apenas de uma forma: deixando a religião e vivendo o Cristianismo e o Evangelho!

Não há outra forma. Por isso, chega de hipocrisia, de ventos de doutrinas que trazem jugos sobre o povo, distanciando-os ainda mais de Cristo e do Reino de Deus. Precisamos nos levantar como profetas verdadeiros de uma geração carente da Palavra simples e objetiva como é o Cristianismo. Chega de “vendermos indulgências espirituais” em nosso cultos, de buscarmos status ou sermos conhecidos ou de nos preocuparmos com a igreja A, a igreja B e a igreja C.

Jesus esta voltando, e jugo e fardo pesado não nos levará à Ele. Que possamos extinguir de nosso meio esta droga de religiosidade e viver a autenticidade do Evangelho.

Para finalizar, não deixarei uma regra religiosa pesada, mas uma verdade suave para nossa comunhão e intimidade com Deus, para aqueles que assim como eu, se cansaram de tanta hipocrisia e aceitaram o desafio de se tornar a minoria (leia o papo anterior sobre “ser a minoria”):


“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”

Mateus 11:28-30


Jesus não impõe fardos e jugos sobre nós. Ele mesmo odiou e odeia a Religião. Que possamos ir até Ele com nossos corações quebrantados, prontos a sermos concertados, pois a batalha já começou, e aquele que for fiel até o fim, vencerá!


Um forte abraço,
Fábio B.Assis.

Sociable

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...